Donald Trump tem feito do nascimento de Barack Obama um dos temas principais da sua campanha para ser nomeado pelo Partido Republicano para a corrida à presidência dos Estados Unidos.

No jantar anual dos correspondentes da Casa Branca (os jornalistas que cobrem a presidência), Obama respondeu à letra e mostrou o vídeo oficial do seu nascimento.

Sporting…

Posted: Fevereiro 24, 2011 in Desporto, Futebol, sporting
Tags: ,


O retrato da afegã Bibi Aisha tirado pela fotógrafa sul-africana Jodi Bieber venceu o World Press Photo 2010. Mérito da fotógrafa, mas muito, muito mérito da retratada.

Bibi Aisha tinha 18 anos quando foi mutilada pelo marido, que lhe cortou o nariz e as orelhas quando esta regressou à sua família fugindo dos maus tratos. A família, claro está, não lhe valeu e a vingança foi a que se vê.

De relevante aqui não são as mutilações que Bibi Aisha sofreu. No Afeganistão os maus tratos são recorrentes, se bem que não assumindo esta forma. Louve-se a coragem de Bibi Aisha. O arrojo demonstrado ao abandonar o marido por maus tratos e a dignidade com que enfrenta a objectiva.

Imagino o choque que o algoz terá tido a primeira vez que teve de enfrentar o olhar inteiro naquele rosto dilacerado. Esse olhar foi, aliás, uma das razões públicas por o retrato ter obtido o mais importante prémio do jornalismo fotográfico a nível mundial.

Bibi Aisha foi resgatada de um abrigo para mulheres por soldados norte-americanos e vive agora nos Estados Unidos, tendo sido sujeita a cirurgias de reconstrução facial. Esta é, pois, uma terrível história que pode vir a ter um final tão feliz quanto possível.


Otis Redding



Chico Buarque recebeu Sócrates em sua casa e os dois tomaram um café e posaram para a fotografia.

O gabinete do primeiro-ministro português afirmou que o cantor tinha pedido a Lula da Silva para conhecer Sócrates mas Chico Buarque resolveu pôr os pontos nos is: não fazia sentido querer conhecer o homem e ele vir a minha casa.

Tempos depois, o mesmo gabinete do primeiro-ministro veio “esclarecer” que afinal tinha havido uma “falha de comunicação”: tinha sido Sócrates a pedir o encontro…

Chico já tinha escrito e cantado sobre isto e muito se deve ter lembrado da canção quando se apercebeu do calibre da pessoa que recebeu em sua casa.

(pedi o título emprestado ao Carlos Vaz Marques)


Beto morreu ontem aos 42 anos. O seu desaparecimento foi, pois, um desperdício.

Não gostava particularmente do seu reportório mas o seu timbre apaixonava-me. Ouvi aquela voz meio rouca pela primeira vez numa pequena televisão do bairro dos pescadores na Ilha da Berlenga. Estava na altura a trabalhar n’ “A Capital” e fui fazer um trabalho para um suplemento de fim-de-semana que acabou com o furo de que o ICN (hoje também B) ia lançar uma vasta operação de controlo populacional das gaivotas naquela ilha.

Passei três dias naquele paraíso despido e privei com o responsável pelo parque de campismo e com a sua mulher, que tinha a cargo o posto de primeiros socorros. Demo-nos bem e fomos convidados (eu e o fotógrafo Carlos Alberto) para partilhar um jantar que se transformou numa festa com mais uns amigos.Veríssimo e Marieta explicaram-me a história dos pescadores que dormiam nas grutas, falaram-me do que é viver 11 meses por ano numa pequena ilha…

E ficaram com um brilhozinho nos olhos quando me falaram do seu filho. Foram buscar uma cassete VHS e apresentaram-me o Beto. Nunca me hei-de esquecer daqueles momentos e já passaram 15 anos.

Caros Veríssimo e Marieta,

Duvido que venham a ter conhecimento destas palavras, mas deixem-me exprimir o meu mais profundo pesar pela vossa perda.

Um abraço sentido,

Jorge